domingo, 29 de março de 2009

Porque não estás?

Contavas, com graça,
os teus sonos irrequietos
das noites dos primeiros
tempos, quando ainda
faltavam quatro horas
para que
também eu acordasse.
Lembro o cheiro da tua pele,
a doçura dos teus abraços,
a alegria transformada em sorriso com que os lábios beijavam todos os dias.
Como um ribeiro fresco arrefecias a minha vontade de tudo querer fazer ao mesmo tempo.
Lembro-me de ti nas minhas primeiras guerras vitoriosas, nos jogos em que ganhava sempre e só mais tarde descobri que estavam viciados por amor.
Vivo agora um rio vazio quando sinto a tua ausência, quando estás esquecida no teu mundo que já não é nosso, quando me atiras com palavras até então desconhecidas ou quando caminhas sem me querer ao teu lado.
Convivo mal com a bicicleta cor de sangue que me deste e ainda tenho, com o Taihti pintado por Gaugin ou Diego Rivera que tu sempre adoraste, com as fotografias de Marraquexe repletas de cores e cheiros diferentes que ambos fizemos.
Lembro-me de ti, Mãe, sempre, mas já não suporto a dor das recordações. Quero-te!
Procuro-te continuamente e perco as forças, perco o ânimo, pergunto-te, pergunto-me porque não estás?

Quin

8 comentários:

  1. Um abraço da Quimera

    ResponderExcluir
  2. Um micro Conto carregado de realismo, saudade e tristeza.

    ResponderExcluir
  3. Melancolia e saudade, embrulhadas em breves, embora curtas, palavras.
    Aplaudo de pé.

    ResponderExcluir
  4. Só pode ter sido escrito por uma mulher...
    Gostei, mas soube-me a pouco.Continue.

    ResponderExcluir
  5. Sensibilidade à flor da pele. Adorei.

    ResponderExcluir
  6. Muito melhor que o Quin do Lápis.
    Não sei porque é que dizem que só pode ser de uma mulher!?!
    Os homens só sabem falar de"Gaijas"?????

    ResponderExcluir
  7. Como se compreende pelo seu comentário, que só podia ter sido escrito por um homem, o Conto só podia ter sido escrito por uma mulher.

    ResponderExcluir