segunda-feira, 23 de março de 2009

A Rapariga


A rapariga desceu os degraus até ao rio.
Era uma rapariga só.
Nos seus olhos brilhava uma luz distante, perdida, no fundo negro das pupilas.

A cidade sentiu-lhe os passos leves e descalços.
Os seus degraus, empedrados, acariciaram-lhe os pés, que sobre eles passavam.

O rio esperou, no seu marulhar sereno, no seu deslizar, ora para montante, ora para jusante ao sabor das marés.
O rio viu-a descer os degraus da cidade que lhe acariciavam os pés descalços...

O vento beijou os cabelos da rapariga, fazendo-os voltear.
Alguns cobriram-lhe o rosto... suavemente ela afastou-os e dos seus dedos a solidão saiu e perdeu-se no vento.

O sol brilhou com mais força aquecendo o vento que beijava os cabelos da rapariga descalça e leve, aquecendo os degraus que acariciavam os pés da rapariga descalça e leve, aquecendo a cidade que envolvia a rapariga descalça e leve.

A rapariga descalça e leve franziu as rugas finas que lhe circundavam os olhos e dos seus lábios de solidão saiu um queixume que a cidade amparou...
A rapariga contemplou o rio, olhou a cidade, sentiu o vento e abriu-se e a solidão fugiu dos seus lábios, deixou os seus dedos e a rapariga soube que naquela cidade, com aquele rio, com aquele sol, com aquele vento... seria feliz...
Contos do Feeling Estranho

10 comentários:

  1. Bonita história!
    Oxalá o cenário seja a Cidade Branca, do filme do Wim Wenders...

    ResponderExcluir
  2. Margarida Ferreira dos Santos23 de março de 2009 06:04

    Desta vez não fiquei com um feeling estranho!
    Uma história que vai fluindo pela cidade, um texto cheio de harmonia...

    ResponderExcluir
  3. Romântico, a meio caminho da Poesia, mas agradável e quase visual.Estou como a Margarida F.S., não gostei do primeiro com esta assinatura, mas este é bastante superior.
    Ou pelo menos eu acho.

    ResponderExcluir
  4. Sim, fluente, harmónico, com um toque de poesia.

    ResponderExcluir
  5. E eu continuo sem inspiração para meus contos de alcova( só me falta inspiração na escrita...).

    ResponderExcluir
  6. Eu sou mais Clint Eastwood que Wim Wenders mas gostei do conto. Venham mais...

    ResponderExcluir
  7. tem cheirinho ao Vina e ao Drummond, just my 2 cents ;-)
    adorei.

    ResponderExcluir
  8. Pensei, por momentos, estar a ver a minha doce
    Pamina...

    ResponderExcluir
  9. Pedro Miguel P...
    Clint Eastwood é outra conversa!
    Se nunca viu, deixe-me aconselhar-lhe " Na Linha de Fogo", com Rene Russo e John Malkovich, outro "grande".
    O filme já tem uns anos, é de Wolfgang Petersen, e parece que os dois "grandes" nunca se encontraram durante as filmagens...
    Se fôr ver, ou rever, olhe-me bem aquele trabalho de montagem...

    ResponderExcluir