quarta-feira, 29 de abril de 2009

Alcácer

Em Alcácer eram verdes
as aves do pensamento.
Eram tão leves tão leves
como as lanternas do vento.

Em Alcácer eram verdes
os cavalos encarnados.
Eram tão fortes tão negros
como os punhos decepados.

Em Alcácer eram verdes
as armas que eu inventei.
Eram tão leves tão leves
tão leves que nem eu sei.
Em Alcácer eram verdes
os homens que não voltaram.
Eram tão verdes tão verdes
como os campos que deixaram.

Em Alcácer eram verdes
as maças feitas de lume.
Eram tão frias tão frias
como as dobras do ciúme.

Em Alcácer eram verdes
estas palavras que agora
são tão caladas tão cernes
tão feitas desta demora.
Em Alcácer eram verdes
as flôres da sepultura.
Eram tão verdes tão verdes
tão verdes como a loucura.

Em Alcácer era verde
meu amor o teu olhar.
Era tão verde tão verde
quase à beira de cegar.

Em Álcacer eram verdes
os lençóis onde morri.
Eram tão frios tão verdes
como os campos que eu não vi.
Em Alcácer eram verdes
as feridas do meu país.
Eram tão fundas tão verdes
como este mal de raiz.

Fotos de Zé Manel
Poema de Joaquim Pessoa


14 comentários:

  1. Belas fotos com um poema clássico, que originou uma música muito bonita na voz do Carlos Mendes.
    Excelente ideia esta da Técnica Mista.
    É para continuar?

    ResponderExcluir
  2. Bem que reconheci o fotografo!!!

    As fotos sao lindissimas e combinam muito bem com esse belo Poema!

    Muito bem Ze Manel!

    ResponderExcluir
  3. Então Lickas é aproveitar a embalagem e o entusiasmo, enviar meia dúzia, ou uma dúzia, de imagens com um tema comum, e o Galo encarrega-se de desenvolver a Técnica Mista e acrescentar um Poema, um Texto, que combine.

    ResponderExcluir
  4. Respondendo à MTH, é para continuar desde que me enviem material ( fotografias ou poesias )com que eu possa trabalhar. A Técnica Mista será sempre uma mistura de texto/imagem.

    ResponderExcluir
  5. A minha avó paterna era daí, e o meu pai costumava contar de como se ia de burro até ao mar, quando ele era miúdo. :-)

    ResponderExcluir
  6. Lindo...

    O poema. O poeta. A canção. As fotos. Alcácer. As cegonhas. O Rio Sado.

    (E estou a ser perfeitamente imparcial, que não conheço o rio de lado nenhum... :) )

    Um Olé com Duende!!!

    ResponderExcluir
  7. Moira de Trabalho29 de abril de 2009 10:45

    O enquadramento que ainda hoje se tem de Alcácer é magnífico.
    Ficou emoldurada no tempo, mesmo depois de trspassada a montante do Sado pela A2 e a juzante pelo IC1.
    Levanto sempre o pé do acelerador, quando passo... O suficiente para ver as letras "estado-novo" da estação de comboios...

    Obrigada, Zé Manel, por me lembrar deste privilégio.

    ResponderExcluir
  8. Ok combinado entao ;@))) Sera que podemos fazer algo relacionado com os direitos dos animais? e como sao ou melhor nao sao respeitados ai em Portugal....enfim e nao so em portugal?

    ResponderExcluir
  9. Eu, Galo, sou muito bem tratado por todos...
    mas está combinado, mande as fotos dos Animais e eu arranjo um texto, ou poema, em defesa dos direitos dos ditos.E para quando esse envio?

    ResponderExcluir
  10. Primeiro devo perguntar para onde envio as fotos? Porque amanha ja as posso enviar e quantas quer Sr Galo ;@)

    ResponderExcluir
  11. Em primeiro lugar, o Galo, como ser anarca e libertário que é, odeia o Sr.

    Posto isto, poderá mandar as fotos para jv@lunebleu.pt

    A quantidade deixo ao seu critério ( 10 a 20 ?).

    Cócórócócó ( como é que fazem os Galos suecos?)

    ResponderExcluir
  12. Magnifico casamento das fotos com o poema.Só um Galo como o "nosso" se lembraria desta forma para enriquecer os seus visitantes.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  13. A classe de sempre no enquadramento imagem / poema. O Galo sempre em grande.

    ResponderExcluir
  14. Zé Manel...
    Conheço-lhe alguns predicados, mas não lhe conhecia este!
    E tem razão. Um magnífico casamento, obra do nosso Galo...

    ResponderExcluir