terça-feira, 28 de abril de 2009

As Mulheres da minha Vida

O desenho do corpo humano é o último
na pirâmide da gratificação.
É compor e reproduzir,
com o grau de semelhança que se quiser,
o mais perfeito e fascinante objecto.
E, ainda por cima, fala!

É um lugar-comum dizer que não se é nada se não fossem as mulheres que fizeram parte da sua vida: a mãezinha, uma avó extremosa, a professora primária que lhe ensinou o gosto pelas letras, a tia viúva que o introduziu nas artes do amor…
É um pena, mas não é o caso.
As mulheres da minha vida, sendo de carne e osso, são afinal de grafite e carvão, no papel.

Desenho, com hora marcada, todas as terças feiras à tarde, mulheres nuas.
Não é um fetiche; é uma aula.
O curso é técnico.
O Design quer-se uma disciplina séria, com parâmetros rígidos de actuação; matérias matemáticas e condimentos técnicos são o alimento do jovem estudante de Design (por favor, leia-se disain e não désain, como tantos insistem…). Pelo menos, é assim que os meus directores
querem vender o curso.





Eu não podia estar mais em desacordo.
Se acredito que foi preciso, a seu tempo, deslindar o Design das Belas-Artes, para se perceber que o designer é um acatador de encomendas, por oposição ao artista que cria a seu bel-prazer, hoje, perante as matérias tão técnicas que nos invadem as universidades, acho mais que oportuno reclamar a Arte para o Design.
A discussão do que é, ou não é, Design já não se coloca; a forma segue a função, neste sentido e não no antónimo, é uma máxima que tem sido apreendida pelo comum dos mortais. Já se percebeu que quando não funciona não há design e que uma peça não pode ter mais design que outra: ou tem, ou não. Pode é ser mais bonita, agradável, apetitosa, que outra. Mas lá está, se não funcionar…
A Arte, por seu lado, não se explica. Não tem função aparente e no entanto as maiores civilizações da história desvendam-se pela sua arte. O artista é um pária e, não obstante, imensamente adulado nos círculos da arte, especialmente depois de morto; a Arte é gratuita e desinteressada e, ainda assim, é ver obras custar o equivalente ao PIB de uma pequena república africana.
O que tem de bom, então, a Arte? A meu ver, a liberdade.
Do artista e do observador (não gosto do termo apreciador que lhe confere um estatuto elitista). Livre de criar, livre de lhe emprestar significados; livre de conceitos, livre de preconceitos; vem de dentro e retorna, noutro corpo, para dentro, para a alma.
Agora digo-vos: é imperioso que se ensine jovens universitários a despertar para o tema da observação e representação através do desenho, com sentido artístico; usam-se modelos nus. Prefiro a mulher pela sua inquestionável superioridade em relação ao homem – é mais bonita, mais poética, sedutora; é a ninfa dos poetas e a musa dos escultores.
E tudo isto acontece no decorrer de um curso supostamente técnico.
Faz sentido? Todo.
O desenho do corpo humano é o último na pirâmide da gratificação.
É compor e reproduzir, com o grau de semelhança que se quiser, o mais perfeito e fascinante objecto.
E ainda por cima, fala!
Tem personalidade, tem carácter, tem autonomia.
E tudo isso pode o desenho captar.
Têm dúvidas?
Olhem para as mulheres de Ingres e sintam a sua sensualidade; deliciem-se com a melodia que cantam as mulheres de Matisse; deixem-se envolver no bailado das mulheres de Degas e, por fim, viajem com as nativas de Gauguin.
A técnica não se suporta por si.
É sustentada pela estética, pela arte.
Caso contrário os projectos de arquitectura seriam feitos por engenheiros!
… Ãh? São?!... Estão aqui a dizer-me que sim,
que os projectos de arquitectura podem ser assinados por engenheiros... Sabiam disto?
Será que explica a qualidade de alguma arquitectura que alcatifa Portugal, de norte a sul?
Eu disse “alguma”? Foi benevolência minha.
Seguramente diferente de desenhar um carro - que adoro de paixão - ou uma paisagem que sempre me arrebata, não poderei nunca comparar o prazer que sinto ao desenhar o corpo de uma mulher a qualquer outro que já tenha experimentado.
E ainda fico com uma recordação do momento.
Quem pode gabar-se do mesmo?
Ei! Polaroid não vale!!

Moira de Trabalho

13 comentários:

  1. Moira de Trabalho ou "caixinha das surpresas" ?
    Prcisarei de escrever mais?

    ResponderExcluir
  2. Caixinha de surpresas??? Guarda Jóias em caixinha de música...com bailarina!
    Palmas...muitas!

    ResponderExcluir
  3. Alguém hoje acordou, e a inspiração desceu em cima. :-P
    Tem um "baixo-assinado" ? Porque eu também 'tou aí .

    ResponderExcluir
  4. Se houvesse dúvidas de que o Prémio tinha sido bem atribuído , bastaria este texto e desenhos para provar que acertámos.
    Esta é a verdadeira Cultura, utilizando nomes, Degas, Matisse, Gauguin, quando são mesmo necssários e não para mostrar que se sabe mais que os outros.Palmas !!!

    ResponderExcluir
  5. Faço minhas as palavras da "oradora" precedente.

    ResponderExcluir
  6. MTH, alguém definitivamente morreu, e tu ficaste dona dos "nomes" e da verdadeira Cóltura.
    Deixa cá ver... Estaline, Brezhnev, ou Pires Jorge ?

    ResponderExcluir
  7. Margarida Ferreira dos Santos28 de abril de 2009 13:27

    Desenhos, texto, a Arte e o Design...tudo a valer a pena!

    ResponderExcluir
  8. Olhar do Planalto28 de abril de 2009 14:31

    Bons temas para discussão!

    "O que é" a arte, ou melhor ainda "para que serve"?

    A MdT, postula que o que tem de melhor é a Liberdade! Nobre sentimento...Boa!

    Mas vem a MTH e diz: é Cultura!... Boa, também gosto, mesmo sem saber se nos referimos ao mesmo...

    Mas MdT, parece-me que este "post" saíu um pouco ao correr da pena, saltitando entre vários temas para boas polémicas:

    Como será Arte sem técnica? Será arte?
    António Aleixo; os naífs; o Jorge Peixinho (esta foi maldade...http://cvc.instituto-camoes.pt/figuras/jorgepeixinho.html)

    E a forma (O Design) segue a função?
    http://www.infopedia.pt/mostra_recurso.jsp?recid=2593&docid=10581800
    desta peça dizia o seu criador:
    "O meu espremedor não serve para espremer limões, serve para iniciar conversas".

    E os Arquitectos? São Designers (de casas, ou só de casas)?
    Gosta-se das peças do Siza, como da sua arquitectura?

    Como todos nós, gosto do trabalho aqui exposto da MdT.
    E vou gostar de vê-la ao seu melhor.

    Força aí...

    ResponderExcluir
  9. Nossa rica sobrinha... ela até sabe o que é o "externocleidomastoideu" do corpo das mulheres!

    Estamos satisfeitas!!!

    ResponderExcluir
  10. OdP !
    O espremedor dele não serve para espremer limões,as cadeiras dele não servem para se sentar, e é uma aventura tentar escovar os dentes com a escova-de-dentes dele... :-P

    ResponderExcluir
  11. Moira de Trabalho29 de abril de 2009 09:41

    Ai, ai...
    O que eu fui fazer...
    Abri a caixinha de Pandora... essa é que é essa.

    Muito grata pelos comentários de todos. Voltarei dentro de momentos (não digo é quantos).

    Olhar do Planalto,
    Gostei do desafio, do debate das polémicas; havemos de voltar a elas; e se há exemplo que dou nas aulas, é esse mesmo - o do espremedor que só deve ser usado no fim de semana em que os pais não estão.

    MTH,
    Os nomes que só devem ser ditos quando necessário - valente afirmação! Vou debruçar-me sobre isso e, se resultar, postar sobre o assunto.

    ResponderExcluir