quinta-feira, 9 de abril de 2009

Crime Imperfeito

O copo já vira melhores dias. Embaciado e cheio de dedadas, não devia muito à higiene.
Deitei-lhe uma dose generosa, mesmo muito generosa, de bourbon e passou logo a ter melhor aspecto.
O líquido percorreu-me a garganta qual lava dourada e senti -me regressar, lentamente,
ao mundo dos vivos.
O trompete da noite anterior que solava ainda no interior da minha cabeça pareceu começar ouvir-se lá mais ao longe.
O perfume barato e enjoativo da recepcionista do clube, também ela enjoativa e barata, começou a desprender-se da minha pele.
O gabinete onde me encontrava, decadente e com móveis dignos de uma decrépita garage sale, ganhou algum brilho e lembrou-me a placa oxidada colocada lá fora.
“Johny Rose & Partners – Private Eye”.
Johny Rose, este vosso criado…Quanto aos partners nunca tinham sequer existido.
E o trabalho como Detective Particular estava cada vez mais escasso.
Foi então que ouvi o tilintar da porta da entrada.
Coloquei os pés em cima da secretária e peguei no telefone. Uma questão de imagem.
Ela entrou na pequena divisão como a Cleópatra chegava
ao Vale dos Reis só que sem os 300 escravos núbios.
Como a Bettie Page do Playboy, só que vestida.
Não muito mais, porque o vestido de grande decote e racha lateral
pouco deixava à imaginação.
A voz correspondia ao todo. Sussurrada e sensual.
Com promessas escondidas. Com sugestões óbvias.
Continuei com o auscultador encostado ao ouvido e um ar, por certo, imbecilizado.
“- Posso contratar os seus serviços?”- foram as palavras da deusa.
Recuperei o fôlego, bebi nova dose de álcool e respondi displicente:
“- Não vai ser fácil, mas podemos tentar. Qual é o caso ?”
Ela que não era nenhuma novata, calou-se enquanto separava
dez notas de cem dólares e as deixava cair sobre a secretária.
Pareceu-me que a efígie de Franklin se estava a rir para mim.
Já completamente restabelecido e a pensar que podia, por fim,
pagar os últimos seis meses da renda em atraso,
inclinei-me para trás, indiquei-lhe uma cadeira e esperei.
Gostava que tivessem visto o cruzar das pernas
e o decote quando ela se inclinou para a frente.
”- Isto é só um pequeno adiantamento”.
Forcei-me a pensar que se referia ao dinheiro.
“-Quanto ao caso, trata-se do assassinato do meu marido !”.
Dito isto sentou-se no tampo da secretária
a poucos centímetros de mim.
Mudanças bruscas fisiológicas ocorreram
enquanto perguntava, a medo:
“Assassinato? E quando ocorreu? Já há suspeitos?”.
A resposta foi-me dada com a sua boca quase colada à minha:
“Quando? Pode ser um dia destes… e o assassino, claro,
vai ser o Johny !!!”

Agora no escuro da minha cela, enquanto aguardo ser levado
para a cadeira eléctrica, lembro com saudade o bourbon rasca,
os móveis podres e a recepcionista do clube…

Ernesto E. Minguêi

7 comentários:

  1. Fantabulásticamente genial! Parabens Ernesto!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mas um detective não pode cair numa armadilha destas, nem que a maçã seja mesmo das mais apetitosas !

    ResponderExcluir
  3. Body Heat ataca de novo?
    Gostei.Do princípio ao fim, como se estivesse a ler policiais americanos no tempo em que os devorava.

    ResponderExcluir
  4. Ernesto E. Minguêi9 de abril de 2009 06:56

    Muito perspicaz Quimera. O conto tem muito de inspiração do Body Heat mas também de todos os detectives dos filmes série B, assim como dos clássicos policiais do Mickey Spillane, Rex Stout, Mike Hammer, e outros que me encantaram em tempos passados. Uns semi falhados com veleidades de conquistadores baratos, mas com alguma piada...

    ResponderExcluir
  5. O autor nem precisava explicar nada.
    Estiive sempre a ler o conto com a imagem do Bogart na mente. No final mudei para o William Hurt...
    Muito engraçado, sem perda de qualidade.
    O tipo de Micro Conto que eu gosto de ler.
    E o anterior deste autor, convem não esquecer, também era excelente.

    ResponderExcluir
  6. Excelente conto!
    O som melancólico do trompete de jazz. A sombra das persianas projectadas na parede. É um perfeito "conto-noir". E só me ocorreu a imagem de Phillip Marlowe.
    Parabéns ao autor.

    ResponderExcluir
  7. Excelente. Um conto(Micro) que nos transporta para um daqueles policiais de séries de TV do estilo tenente Columbo interpretado por Peter Falk. Mai uma vez, parabéns "E. Minguêi".

    ResponderExcluir