terça-feira, 22 de setembro de 2009

Hoje apresentamos a 2ª classificada

Como prometido ontem, hoje é a vez da Gin Tónico, medalha de prata no 1º Prémio de MicroContos Galo/Bizâncio.

Galo: Qual a sensação de ter ganho um dos Prémios MicroContos Galo/Bizâncio? Estava à espera?
Gin Tónico: Não estava nada à espera!
Escrevi só um Conto, cheia de boas intenções, com imensas ideias para outros. Mas, sou preguiçosa por natureza, mesmo tendo um grande prazer quando escrevo!
Quando o João me telefonou, disse-me para eu me sentar e eu sentei-me; senão, tinha desmaiado...!

Galo: O que achou desta iniciativa?
Gin Tónico: Tal como o Concurso de Fotografia, este constituíu um desafio grande - ou ainda maior - à criatividade dos comentadores do "Galo".
Para além disso, o blogue ficou mais vivo e participado, com a colaboração de todos. É uma boa técnica de marketing, usada até na política, mas o João não é inocente nesta matéria...quero eu dizer no marketing!
E para quem escrevia, também era estimulante ver os seus próprios textos "chapados" alí, no ecran...
E é bom assim. Desta forma, estamos consigo mais "mano a mano"!

Galo: Excluindo-se, quais os outros Autores que mais apreciou?
Gin Tónico: Numa altura em que a Língua Portuguesa anda tão maltratada, foi um verdadeiro consolo poder verificar que os Autores dos Microcontos escrevem todos muitíssimo bem. Não lhes conheço a faixa etária, mas não devem ter propriamente vinte anos...
O Feeling Estranho é um autor muito especial, mas há muitos mais. Gostei imenso de um Conto do(a) James Starfield, "A Peregrina e o Guardião", mas há tantos !
O Alexandre Dumas Pai, o Ernesto, a Pinta, o Lourenço das Arábias, a Mafalda, o Peixe Chamado Wanda, a Dear Prudence, o Thoma La Graham com o seu Conto "Regresso a Casa"!
E ainda há o Carapau de Corrida; se eu fosse um membro do júri, acho que lhe tinha dado o primeiro lugar, só por aquele Conto chamado "Ano da Graça de 2009", sobre o Sócrates e o Magalhães...Escreve tudo seguidinho, sem pontuação, uma loucura, uma graça e........Actual!

Galo: Se o “Galo” instituir, de novo, este Prémio, voltará a participar? Que eventuais alterações sugere?
Gin Tónico: Claro que voltarei a partipar, se calhar só com um Conto! Quem sabe, dessa vez, não vou ganhar o primeiro prémio...
Este Concurso de Microcontos esteve bem assim mas, se voltar a ser instituído exactamente da mesma forma, vai tornar-se, provavelmente, um tanto repetitivo.
Deixo esse assunto ao seu critério, que é o Criativo de Serviço...

E agora só nos resta recordar a "Rua da Adiça".
Rua da Adiça
Eram os dois adolescentes, quando se conheceram.
Ela, filha única tardia, ele, filho único nem tanto, ambos a crescerem de acordo com os cânones da educação tradicional do final dos anos cinquenta.
As férias grandes, passadas na praia, num uníssono partilhado por eles e elas– e eram tantos e tantas, todos os anos - eram o momento único para dar largas ao despontar das primeiras hormonas da sensualidade e do desejo, aproveitadas, sempre às escondidas, para uns beijos roubados e umas carícias inocentes.
Apaixonaram-se. Com aquela paixão de adolescente julgada única, que parece que nunca vai acabar, que parece o fim do mundo, avassaladora, invasiva.
Os anos foram passando e, um dia, ele casou com a Ana Maria, também das férias de Verão passadas na praia.
Ela não entendeu. Adoeceu. Ficou na cama, no escuro, dias sem conta, com um fim do mundo diferente e sofrido, dentro da alma.
Depois, habituou-se, foi-se fazendo mulher e, anestesiada e indiferente, casou com o Eduardo, dois anos mais tarde.
Quando ele chegou da Guiné, da guerra, telefonou-lhe, a desejar-lhe que ela fosse feliz.
Ele, não era. Encontraram-se, num outro encontro de enorme alegria por se voltarem a ver, a conversa, agora mais madura, a fluir como se tivessem estado juntos na véspera, pela última vez.
As interrogações e as mágoas, invisíveis e indizíveis, ficaram por dizer, na ânsia de não manchar aquele momento que, nenhum deles sabia, talvez não acontecesse de novo.
Mas aconteceu. Uma, duas, muitas, muitas vezes.Um amigo dele tinha uma casa por ocupar,
na Rua da Adiça, em Alfama.
Deu-lhe a chave e aquela casa pequena mas cheia de encantos e de vista para o rio, passou a ser o lugar do amor, dos encontros, das dúvidas antigas já esclarecidas, da festa diária do reencontro, que o regresso à casa e à vida, dupla, de cada um, não tinha força para estragar.
Um dia, no momento da despedida, do até amanhã de todos os dias, do antes de a porta se abrir, a chave não deu a volta na fechadura.
Incrédulos, tentaram a faca, o alicate, a tesoura,a pinça, a lima, a chave de fendas e o martelo.
Mas não havia como evitar o inevitável.
Estavam fechados por dentro.Felizes.
Ainda hoje lá estão…
Gin Tónico
Posts relacionados:

16 comentários:

  1. Bem disposta esta autora, será dos Gins Tónicos?
    Parabéns pelo seu conto...e por assumir a Preguiça ( um Defeito que sabe a Qualidade).

    ResponderExcluir
  2. A fotografia é de uma felicidade incrível. Parabéns à Gin e veja lá se a preguiça a deixa ler esses livros todos.

    ResponderExcluir
  3. Ah-ah!!!
    Descobri quem é!
    Descobri quem é!
    ...
    Mas não digo, não.
    Uns parabéns ainda mais especiais à autora que acertou na mouche com um conto!

    E para a próxima, por favor, brinde-nos mais vezes com a sua escrita - tem tanta matéria pessoal para transformar em ficção que será um crime se não o fizer...

    Parabéns merecidíssimos!

    ResponderExcluir
  4. Parabens pelo merecido prémio e também pela tentativa de disfarce na foto !
    O requerimento está em andamento, assinado já por alguns, desejamos mais escritas criadas pela sua cabecinha preguiçosa mas com a ajuda de um gin e de um cigarrinho, decerto não faltará a inspiração.
    E assim ajudará este blog e o Galo nosso a tornar-se uma referencia universal no mundo da cultura bloguista.
    De acordo?

    ResponderExcluir
  5. Pois eu olhei para a foto e fiquei na mesma, para além de me parecer uma pessoa bem disposta.Parabéns, mais uma vez!

    ResponderExcluir
  6. G.T., tu sabes que eu sei que tu sabes...etc. it goes like this. :-)


    Detestei:

    "os cânones da educação tradicional"
    "uníssonos partilhados"

    onde pôrra de dicionário foste buscar essas merdas ???

    ----------------------------------------------
    Gostei:

    "Adoeceu. Ficou na cama, no escuro, dias sem conta, com um fim do mundo diferente e sofrido, dentro da alma."


    ______________________________________________

    Como sabes, não sou capaz de ser objectivo contigo, too much water under the bridge...


    Entretanto, mais sentidos parabéns que os meus não há, a menos que forem do J. e do J.



    Bjs., as cumplicidades são o que são, e não há nada que se lhes ponha por cima,


    A.

    ResponderExcluir
  7. Com tantas cumplicidades do senhor cá de cima só pode ser a "Outra Senhora" o que , a ser verdade, só vem provar que não há regra sem excepção, porque até gostei do conto...e não suporto a autora(?).

    ResponderExcluir
  8. MTH, talvez devesses conhecer realmente o 'produto' antes de o rejeitares, mas cada "apêcesado" é como cada qual... :-)

    ResponderExcluir
  9. Margarida Ferreira dos Santos22 de setembro de 2009 18:52

    Parabéns Gin! Just one shot e bingo!
    Fico contente pelo teu merecido prémio e pelo ar feliz com que estás na fotografia.

    ResponderExcluir
  10. Gin Tónico. Bebida com um toque de requinte, tal como a nossa premiada. Parabéns pelo prémio. Um conto dos belos contos que por aqui passaram.

    ResponderExcluir
  11. Obrigada a todos!
    Aos que gostaram, e aos que não gostaram!
    Por aquilo de que gostaram, e por o que não gostaram!
    Aos que me reconheceram, e aos que não sabem quem eu sou!
    Aos cúmplices, e aos nem tanto!

    E agora mais não digo, que a Preguiça já tomou conta de mim...

    ResponderExcluir
  12. Gin Tónico...
    Se o seu pseudónimo tivesse sido "Champagne", ía ver que tinha ficado com o Primeiro Lugar...

    ResponderExcluir
  13. Ei!
    Isso é batota!!
    : D

    ResponderExcluir
  14. G.T., a miha homenagem por alguém que me põe estúpido só de pensar, e que tu conheces muito bem:

    Though chang'd in outward lustre; that fixt mind
    And high disdain, from sence of injur'd merit,
    That with the mightiest rais'd me to contend,
    And to the fierce contention brought along
    Innumerable force of Spirits arm'd
    That durst dislike his reign, and me preferring,
    His utmost power with adverse power oppos'd
    In dubious Battel on the Plains of Heav'n,
    And shook his throne. What though the field be lost?

    ResponderExcluir
  15. Dear Prudenc...
    A batota não é essa!
    É com o champagne!
    Adoro...................

    ResponderExcluir
  16. Got it!
    I was just kiding ; )

    ResponderExcluir