terça-feira, 5 de maio de 2009

A Cicatriz

Laura tinha terminado uma relação tempestuosa.
Do género “é tão bom quando fazemos as pazes”.
Pela primeira vez não tinha sido ela a acabar,
embora soubesse desde o início
e tivesse comprovado no meio e no próprio fim,
que não queria “aquilo”.
“Aquilo” era a destruição de duas pessoas.

Durante os seis meses seguintes entregou-se a si própria.
Parou para pensar e repensar a sua vida.
Trabalho, muito. Amigos, quanto baste.
Saídas, muito seleccionadas. Família, em doses bem racionadas.
Era como se tivesse feito um plano de recuperação.

Chegou a fazer fins-de-semana de silêncio:
telefone desligado, sem música, sem jornais, sem livros,
sem trocar uma palavra consigo própria.

Chegou a fazer jejuns e clisteres como se quisesse purgar-se.
Num desses fins-de-semana, a meio da tarde de domingo,
não aguentou e chorou convulsivamente durante horas.
Adormeceu cedo e dormiu horas sem fim.

No dia seguinte acordou com uma energia que julgava perdida.
Atirou-se ao trabalho e a meio da tarde
marcou viagem para Nova Iorque.
Telefonou à amiga de sempre a avisar que daí por uns dias aterrava.
Pela primeira vez iria sozinha.
Antecipava a anima daquela cidade e o efeito que lhe produzia,
tudo era reduzido à verdadeira proporção.
Antecipava a cumplicidade com a amiga, o chorarem e rirem,
o poderem dizer parvoíces sem crítica de terceiros,
os “cocktails” de fim de tarde no terraço a abraçar o Empire State.

Depois de aterrar, quando entrou no táxi
sentiu um nó na garganta que depressa desatou.
À medida que o “skyline” de Manhattan se desenhava à sua frente,
a emoção fê-la sentir-se poderosa em relação a si própria.
Durante uma semana andou quilómetros sem fim,
quase sempre sozinha, reviu o que já conhecia,
viu o que não tinha visto de outras vezes, entrou e saiu de lojas,
experimentou sem comprar.
Juntava-se à amiga no final do dia.

Numa manhã combinou encontrar-se com um amigo
que estava de passagem por Nova Iorque.
Demoraram-se no MOMA.
Em cima da hora resolveram ir ao cinema
ver um programa “non stop” de curtas-metragens
de um festival gay.
Não conversavam muito.
Funcionava a cumplicidade de muitos anos.

No final da tarde decidiram ir tomar um aperitivo no Soho
e jantar por lá.
Foram para uma fila de táxis.
Enquanto esperavam, Laura observava a mulher
que tinha à sua frente, uma nova iorquina de Park Avenue,
forrada de dólares e que afinal esperava o motorista.
Estava tão perto dela que conseguiu ver-lhe
uma cicatriz por trás da orelha.
A cara não tinha nem rugas, nem expressão,
mas tinha tempo suficiente para isso.

Quando chegaram ao Soho, escolheram a esplanada do Barolo
e ali ficaram até anoitecer, a observar as pessoas, a rua,
a sentir a energia da cidade.
Laura levou a mão à cara e lembrou-se da nova iorquina cicatrizada.
Sentiu-se linda com as rugas dos últimos meses.
Respirou fundo e o amigo deve ter-lhe visto a tranquilidade na cara:
“Estás bem?” perguntou-lhe.
Laura respondeu-lhe: “Estou muito bem”.
E sentiu a magia daquele momento.
Regressou a casa a pé e soube que o luto estava terminado.

Pinta

14 comentários:

  1. Contos urbanos, mulheres especiais, grandes cidades,ambientes sofisticados, como é que eu poderia passar sem isto?
    Obrigado Pinta.

    ResponderExcluir
  2. Esqueçam os requintes e as cidades estrangeiras, falem das mulheres e homens com quem todos os dia nos cruzamos. Da sua luta diária, dos seus problemas.
    Escrevam sobre este país entregue na mão de vampiros e exploradores.Dos nossos ideais, dos nossos sonhos.

    ResponderExcluir
  3. MTH no seu melhor e com alguma razão, o que não invalida o bom nivel do conto.
    Que Pinta não se intimide.
    Certo?

    ResponderExcluir
  4. As pessoas, todas as pessoas, t~em todo o direito de escolherem o temas sobre aquilo que gostam, que sabem, escrver. Temas urbanos ou rurais, eróticos ou infantis, sobre futebol ou poesia. A isso chama-se liberdade criativa ou, simplesmente, Liberdade.
    Mas talvez a MTH tenha saudades da Arte Oficial em que a Nomenklatura escolhia as temáticas, como ela, parece, querer continuar a fazer.

    ResponderExcluir
  5. Ela que escreva, vamos a ver se presta.
    (e não vale plagiar o Kadaré, nem o Dimitrov, o Ehrenburg ou a mulher do Mao...)


    Contos da vida normal, Pinta, feeling good ! :-)

    ResponderExcluir
  6. Estou pensando promover um abaixo assinado para requerermos a presença de MTH como autora de um mini conto, óbviamente de tema livre desde que os comentadores de serviço se comprometam a um rigor dentro dos padrões habituais na própria e sem "rancores politicos" imprópios nesta nossa capoeira!!!
    Valeu ?

    ResponderExcluir
  7. Devem andar distraídos porque já foram publicados Contos meus que mereceram aliás os vossos importantes comentários.E então que liberdade é essa que não me deixa emitir a minha opinião?

    ResponderExcluir
  8. Eu cá gosto é de ficção.

    ResponderExcluir
  9. Olhar do Planalto5 de maio de 2009 14:15

    Gd Malha!

    Gd Pinta!

    Gd Nice!

    Não sei se perceberam, mas amei!

    Grato.

    ResponderExcluir
  10. Ficção ou não, "plot" e escrita de primeira!
    Esta "Pinta" anda a produzir muito(s) e excelente(s) pinto(s)...
    Mas, só uma pergunta, inocente, claro: porque não fazer desenrolar (um)a acção em Carrazeda de Ansiães???!!!
    Sem desprimor, óbvio...

    ResponderExcluir
  11. Talvez porque Carrazeda de Ansiães comparada com Nova Iorque seja um bocejo do camandro ??
    Just a tought... :-P

    ResponderExcluir
  12. E daí...talvez seja mesmo de alguém (eu não !!!) situar um microconto entre Carrazeda de Ansiães e Fornos de Algodres... :-)

    ResponderExcluir
  13. Margarida Ferreira dos Santos6 de maio de 2009 07:32

    Feelings amargos bem descritos num conto urbano bem desenvolvido pela Pinta, como já vem sendo hábito :-)

    ResponderExcluir
  14. Barolo,Soho, Skyline, Festival Gay, MoMA,Cocktails de fim de tarde, Empire State ou como criar um ambiente com meia dúzia de palavras.
    A Pinta de parabéns, e nós todas,

    ResponderExcluir