terça-feira, 12 de maio de 2009

Vou ali comprar Cigarros

Quando se conheceram ela tinha deixado de fumar.
Ele não fumava.
Mas precisamente nesse dia apeteceu-lhe violentamente um cigarro.
Ele, solícito e sem ela perceber como, conseguiu satisfazer-lhe o desejo.
A partir desse dia era ele quem comprava os cigarros e trazia sempre dois ou três consigo.
Para quando lhe apetecesse a ela.
Viviam muito interessados um pelo outro.
Os desejos de um eram ordens para o outro.
Tinham encontrado uma vida em comum que fluía de uma forma natural e cúmplice.
Os únicos obstáculos que enfrentavam eram exteriores a si próprios.
Tinham aprendido com outras relações a só dar importância ao importante.
Gostavam de muitas coisas comuns, mas também gostavam de muitas coisas que o outro não gostava.
Os amigos sentiam-se bem com eles.
Aquilo a que se chama um projecto de vida, eles não tinham.
Há muito que tinham passado, noutras relações, pela compra da primeira casa, o nascimento de filhos, a compra da segunda casa, o nascimento de netos, as carreiras estavam agora estabilizadas.
O que os unia era de facto esse interesse que tinham em ser felizes e fazerem o outro feliz.
Desde que fizeram a primeira viagem juntos, sem confessarem um ao outro que era para testar se a relação podia funcionar, todos os anos faziam uma a duas viagens.
E viam o que os outros não viam.
Um museu fora de roteiro, galerias emergentes, travavam conhecimento com locais, faziam amigos.
Sempre fora dos circuitos turísticos.
Numa dessas viagens, após o último almoço numa esplanada tinha-lhe apetecido fumar.
Mas desta vez ele não conseguiu encontrar-lhe tabaco.
Já no aeroporto de regresso, e com tempo para um cigarro na rua, que ela já tinha esquecido, ele diz-lhe: “vou ali comprar cigarros”.
Ela esperou junto da bagagem.
Ele não voltou.
Ela nunca mais fumou.

Pinta
Posts Relacionados:
http://ogalodebarcelosaopoder.blogspot.com/search/label/MicroContos

7 comentários:

  1. Bravo Pinta !

    ..."Fumar es un placer, genial, sensual..."Sarita Montiel cantando em fundo. :-)

    ResponderExcluir
  2. Sempre citadina, no meio de viagens e com uns homens à volta, mas, reconheço, com estilo e facilidade de recriar ambientes. Gostei.

    ResponderExcluir
  3. Também gostei, mas, agora, vou ali comprar cigarros...

    ResponderExcluir
  4. Isto agora, como são cada vez menos os homens que fumam, para se descartarem vão ali comprar cigarros para elas. Divertido.

    ResponderExcluir
  5. Margarida Ferreira dos Santos12 de maio de 2009 15:10

    Imagino que a Pinta não deve sofrer do "receio da folha em branco". O estilo e a escrita dos seus contos, bons até agora, parecem surgir com naturalidade...

    ResponderExcluir
  6. Um conto que se repete na realidade com inimaginável frequência, mais nos tempos modernos que destruiram valores importantes e cujo desaparecimento se reflecte não só nos amores como em todos os cantos das nossas vidas.
    Uma tristeza cá para mim.
    Gostei Pinta.

    ResponderExcluir
  7. Talvez seja esta a única maneira de largar a boquilha...
    Excelente(,)Pinta!

    ResponderExcluir