sexta-feira, 1 de maio de 2009

Eileen Gray, muito à frente do seu Tempo

Eileen Gray nasceu na Irlanda, em 1878, oriunda de uma família de artistas, aristocrática.
Frequentou, em Londres, a Slade School of Fine Arts, mudando-se depois para Paris, em 1902, onde estudou com Colarossi e Julian,
tendo-se formado na arte da laca com o mestre japonês Sugawara.


A partir de 1919, começou a a ter alguma fama pelo seu trabalho na decoração e design de móveis, ao mesmo tempo que levava um estilo de vida boémio, de mulher independente.









Quando todos os arquitectos e designers pertenciam a um ou outro movimento, Eileen Gray isolou-se, criando um estilo opulento, com um aproveitamento luxuriante das formas geométricas

















A sua utilização da voluptuosidade da pele e do aço tubular na célebre Bibendum Chair ou a sua famosa mesa de vidro e aço são, reconhecidamente, ícons do International Style.



















Como arquitecta, viria a criar uma das mais famosas casas do século XX, a E.1027, situada à beira mar.

Os meios de comunicação nunca lhe deram, contudo, a divulgação de que os seus colegas, homens, usufruíam.
Pouco conhecida, durante grande parte da sua carreira Eileen é considerada, na actualidade, uma das mais importantes figuras no Design e Arquitectura do início do século XX e, sem dúvida, a mais influente mulher nessas áreas.






























Eileen Gray morre em Outubro de 1976, em Paris.
Sózinha e virtualmente esquecida.

Actualmente as suas peças de mobiliário valem milhões e as réplicas são ainda consideradas avant-garde, apesar de terem sido criadas há oitenta anos.


























Mais de trinta anos depois da sua morte, Eileen é considerada um ícone do Modernismo e uma das mulheres mais fascinantes do século XX, tendo estado sempre à frente da sua época.











E o "Galo" como gosta de Mulheres, no geral, e de Pessoas com Talento, no particular, deixa-lhe aqui a sua homenagem.

PS: Este post é dedicado à Moira de Trabalho, cá por coisas...

4 comentários:

  1. Moira de Trabalho1 de maio de 2009 06:15

    E a Moira, muito feliz, agradece a honra.
    Amei, como dira a Sapho.
    É um bálsamo para a vista, as obra desta senhora; e uma fonte inesgotável de inspiração, para tantos arquitectos e designers.
    É difícil de acreditar que estes móveis têm 70, 80 anos, não é?
    A casa E.1027, então, esteve durante anos atribuida a Le Corbusier - e este nada fez para desfazer o equívoco...
    Magnífica, Eileen.

    ResponderExcluir
  2. Comecem a poupar para...ou esqueçam. :-)

    http://www.christies.com/LotFinder/lot_details.aspx?intObjectID=5171305

    ResponderExcluir
  3. O cadeirão lá de cima até que me deu umas ideias...

    ResponderExcluir