domingo, 1 de novembro de 2009

Sodade(s) de Cabo Verde - 1


ILHA DE SANTIAGO

PORTO MADEIRA

Por alguma razão Cabo Verde é o único país do mundo onde um poema de amor - Morna Aguada, de Eugénio Tavares - ilustra uma nota de banco.

Esse amor pela Arte, que sentimos em imensas manifestações do quotidiano da gente de Cabo Verde, encontra-se connosco na pequena aldeia de Porto Madeira, um aglomerado de casinhas rurais, com menos de quinhentos habitantes, e a uns escassos vinte minutos da cidade da Praia, encarrapitada no Monte Bidela, onde se chega por uma estrada(?) de pó, solavanco à esquerda e à direita, debaixo de um sol abrasador, sem uma ponta de aragem.
Mas vale a pena.

À entrada da aldeia, uma placa descreve-nos o Projecto artístico e cultural de transformar Porto Madeira num local de turismo rural e ecológico.
A ideia de organizar um Encontro Transatlântico de Artes Plásticas, em Agosto de 2008, nasceu há cerca de cinco anos, pela mão de Maria Isabel Alves - Misá - filha da aldeia e que a ela regressou, para a transformar.



















Ao longo do imenso milheiral, de espigas ainda não colhidas, surgiram casas, telhados, muros e placas pintados, tanques, chafarizes, depósitos de água, uma casa de banho comunitária, um pequeno Museu e a promessa da luz eléctrica, pelo menos algumas horas por dia...


O lixo que cobria os caminhos e os montes à volta da aldeia foi transformado e reciclado, a madeira aproveitada, as latas de Coca-Cola e de Fanta passaram a enfeitar as árvores, um velho carro abandonado encontrou o seu lugar numa "instalação" no meio do milho, e até os chinelos velhos encontraram, também, o seu lugar...
















Para além de nos darem isto, as pessoas de Porto Madeira dão-nos muito mais.Dão-se a elas próprias numa ingenuidade enternecedora, sorriem-nos - conversa fácil em crioulo que, às vezes, não entendo totalmente... - querem ser fotografadas, querem mostrar-nos os filhos, sobretudo quando são "machos", e ainda não emigraram...
Gostam de nós.
A Arte abriu-lhes um mundo que não conheciam e que lhes há-de trazer, também, uma Escola de Arte e uma vida melhor.
A Misá prometeu!
Porque o "Galo" gosta de Arte, quis deixar aqui esta "Sodade"!
Além do mais, e porque as coincidências existem, as tintas que cobrem as casas e as placas de madeira, foram oferecidas, generosamente, por um Amigo do "Galo"...
Contessa

15 comentários:

  1. Muto obrigado Contessa por trazer este pedacinho de CV, uma terra de surpresas e onde desde tempos imomeriais se provou que tem um povo de grande capacidade e dotes escondidos.
    Um exemplo para toda a África.

    ResponderExcluir
  2. A nota, para além do valor económico, sempre transmite algo mais!... E o poema é belo!...
    Quase tão belo como foi visitar aquele pedaço de terra no meio de nenhures!...
    E que pena não termos visto o encontro transatlântico!...
    Mas valeu a pena partilharmos aquele momento!... Assim como todos os outros, que nem sempre são descritíveis...
    Beijo!... Lu

    ResponderExcluir
  3. Sei tão pouco de Cabo Verde que até me faz impressão, tenho que me actualizar urgentemente...

    Lembro-me apenas que o
    embaixador Tolentino era uma pessoa cultíssima, e que um dos meus amiguinhos do IST foi ministro ou secretário de estado por lá.

    So sorry...

    ResponderExcluir
  4. Acho que me esqueci de dizer:

    C. , este teu post é uma ternura, e eu só espero que, com italianos ou sem eles, com água ou sem ela, com electricidade ou sem ela, Cabo Verde consiga medrar e ser um sonho de um homem maior que todos nós : Amílcar Cabral.

    ResponderExcluir
  5. Sem os excessos habituais na autora, resultou numa mensagem simples mas atraente.
    Parabéns, e fica-se com vontade de fazer essa viagem...

    ResponderExcluir
  6. A Contessa lá se libertou da "preguiça" que tanto apregoa e deu-nos um belo relato de viagem. Queremos mais...

    ResponderExcluir
  7. Querida Contessa, visto pelos teus olhos Porto Madeira é encantador! Que mais sítios exclusivos, genuínos irás mostrar? Um abraço de s-o-d-a-d-e. R.A.

    ResponderExcluir
  8. Contessa, que tal trabalhar num livro de viagens?

    ResponderExcluir
  9. Sim, eu acho!! Ofereço-me para ajudar.

    ResponderExcluir
  10. Morcela Robalo de Sousa2 de novembro de 2009 11:43

    Contessa e trabalhar, na mesma frase?
    Não me parece a junção perfeita...

    ResponderExcluir
  11. Eu, que conheço o original e orientei a distinta autora nesta incursão pela cultura crioula (ó pra mim a gabar-me!), continuo a achar que o carro não é instalação coisa nenhuma, mas é mesmo lixo abandonado no meio do campo.

    Não obstante é um sitio que recomendo vivamente e adorei a reportagem (fotos incluidas). Mais um cliente satisfeito :-))

    Com tanta publicidade efectuada nos últimos tempos, quando é que o Galo vem fazer o test drive? :-)

    ResponderExcluir
  12. Já lá deixei o carro estacionado, para fazer o test drive.
    Não viste na fotografia?

    ResponderExcluir
  13. Acho perfeita a ideia do test drive, convidem-me por favor...

    :-)


    P.S.
    Morcela Robalo de Sousa , esse handle é genial !!

    :-))

    ResponderExcluir
  14. Porto Madeira - Ilha de Santiago - uma pequena aldeia de casas dispersas que aos poucos se vai transformando no primeiro projecto de turismo cultural do arquipélago, onde em cada esquina se descobrem esculturas, pinturas ou outras obras e arte popular. Obrigada Contessa pelas imagens e pelas palavras que ilustram a alegria daquelas gentes que apesar das dificuldades inerentes ao País, vão demonstrando toda a sua graciosidade. Cabo Verde é "sabe".

    ResponderExcluir
  15. Morcela Robalo de Sousa...
    É genial sim senhor(a)!
    Adorava saber quem é!
    E pelos vistos/escritos, deve ser alguém que me conhece muito bem...

    Quanto ao test drive, vamos todos a isso, que vale muito, muito a pena!

    ResponderExcluir