quarta-feira, 8 de julho de 2009

Primeiro sinal de Liberdade

"... O comboio foi, para mim, o primeiro sinal de liberdade, de aventura e de descoberta!
Era assim que eu saía de Vila Real de Trás-os-Montes e de Portugal quando era adolescente.
Foi de comboio a minha primeira visita ao estrangeiro, em 1959.
Foi de comboio que me exilei em 1963.
Foi de comboio que fiz algumas das mais maravilhosas viagens da minha vida, nas Montanhas Rochosas, no Expresso do Oriente, nos Andes, no deserto de Atacama, nos Urais, na Patagónia...E nas linhas do Tua e do Sabor!
Além disso, o comboio é a maneira mais confortável de viajar: vê-se, olha-se, pode-se parar, é possível ler, estudar, ouvir música, comer, beber, namorar, dormir..."

António Barreto ( Jornal i )

7 comentários:

  1. Não gosto, como já disse noutras ocasiões, do autor mas adoro viajar de Comboio.
    Não conheço os destinos exóticos que AB de um modo snob enuncia, mas fazer o Douro de comboio é uma experiência inesquecível que recomendo vivamente.

    ResponderExcluir
  2. Como seria bom para o País que os comboios tivessem tido apoios e desenvolvimento.
    A politca de transportes foi toda orientada, erradamente ,para o asfalto e as consequencias já estão à vista.
    E este crime já vem de há muito.

    ResponderExcluir
  3. Já transei num trem de Paris para Madrid.
    E fico louca só de pensar... Experimentem !!!

    ResponderExcluir
  4. Hoje os comboios perderam o mistério.Ah! o North by Northwest do Hitchcock!!! Querem à viva força que tenhamos a mesma experiência em terra e no ar. É assim que nos põem umas meninas a servir uma refeição desgraçada, a dizerem-nos para escolhermos um e um só jornal...
    Agora transar num trem, Sapho,é toda uma verdadeira experiência. Veja o filme que menciono lá em cima.

    ResponderExcluir
  5. Houve uma altura, a fase intelectual dos cineclubes já aqui mencionada, em que eu e um grupo de amigos analisavamos os filmes plano a plano, descobrindo índícios que na maioria dos casos nunca teriam passado pela cabeça dos realizadores.Um desses casos foi o Eclipse em que um jornal , L'Aurore, era desfolhado pelo vento e nós elaborámos toda uma teoria por ser esse o título escolhido e não outro qualquer.
    Mas, voltando ao caso, o último plano do North by Northwest, que passou em Portugal com o nome de Intriga Internacional, com Cary Grant e Eve Marie Saint nos protagonistas,é um longo comboio cilindrico a entrar num túnel escuro
    ( enquanto o casal se recolhia no seu camarote).
    As interpretações eróticas da cena são óbvias...

    ResponderExcluir
  6. Moira de Trabalho9 de julho de 2009 07:25

    E, como diriam os Monty Python em "A Vida de Brian":

    "Sex, sex, sex!
    That's all you can think of!"

    ResponderExcluir
  7. 17 anos = interail = comboio, uau !!

    ResponderExcluir